Páginas

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Talk show.


O casal se senta. Tem uma xícara de café com água dentro. Parecem que estão apresentando o Jô. Se sentem bem com a brincadeira. Até ela ficar séria demais e não querem mais parar. Quando veem estão falando com uma sucessão de pessoas e ouvindo todas elas com vontade de ajudar. É o que eles mais gostam. Se sentem muito bem com a brincadeira, porém ela fica mais séria.
Uma pessoa precisava conversar. De verdade. Falar bastante. Desabafar. Precisava de alguém que a ouvisse e não abrisse a boca. Conseguiu. Dois palhaços-apresentadores de um pseudo talk show que estavam sérios e calados. Apenas ouvindo.
Ouvindo..ouvindo..e ouvindo...
A conversa não foi monótona, pelo contrário. Todos queriam apenas isso. Falar. Porque tem por diversos momentos em que precisamos apenas de abrir a boca e desabafar. Deixa-se tanta coisa escapar. Tanta situação que nos deixa mal e que não queremos nos estressar por isso, achamo-nos fortes, mas sabemos que aquilo ainda incomoda. Por que não um talk show?
Uma brincadeira tão séria. Que divertiu três pessoas. Que queriam conversar, serem ajudadas, serem escutadas, umas mais que as outras. Queriam acreditar apenas que ainda é possível confiar um no outro. Sem medo.
Apenas falar. Falar e achar que as paredes não tem ouvidos, que não haverão fofocas depois. Foi mais que uma brincadeira. Ela mudou o meu dia e o dia daquelas três pessoas.

Quero mais talk shows. ;)

Até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário