Páginas

sábado, 23 de fevereiro de 2013

A oitava praga

Sabe as sete pragas? Então, eu temos mais uma que vem se espalhando silenciosamente.

Se você sofre sintomas de carência ou percebe que cada dia mais as pessoas estão ficando cada vez mais egoístas então você é uma vítima desta epidemia.
Como fazer para curar? Bem, parece impossível. Beatles disseram que o que nós precisamos é de amor. Será que ninguém soube entender o que isso realmente significava de verdade a ponto de aplicar na vida?

Recentemente eu li um livro do Paulo Coelho que falava que o amor é capaz de mudar o mundo, a vida, mover grandes coisas, porque só ele é capaz de te fazer livre. E, sendo sincera, só estou usando uma referência para tornar este texto mais interessante. Porque, francamente, poderia ter falado aqui que qualquer pessoa disse isso porque qualquer um diria. E você sabe que é verdade.

Uma amiga minha também me contou que ajudou alguns cães na rua a encontrar uma família. Eu fiquei tão feliz quando li esta noticia que disse que ela era um anjo e que o mundo precisa de pessoas assim. Ela me deu a melhor resposta: "eu fiz o que qualquer pessoa faria." Faria, mas não faz. Qualquer pessoa olharia aqueles cães na rua e pensaria: ""Tadinho dele, né!". E continuaria com seus afazeres.

Não estou tentando fazer com que ninguém funde uma ONG para apoiar pessoas carentes, nem que viaje para a África para ajudar as pessoas lá e abandonem tudo o que estão construindo. Muito menos quero transparecer a idéia de que pensar em si é ruim. Muito pelo contrário. Pensar em si é ótimo.
Mas eu acho que, hoje em dia, como as pessoas tem se amargurado tanto elas começam a pensar demais em si. Acabam se isolando mais do que deveriam. E, em alguns casos, terminam excluindo pessoas que tinham um potencial transformador na vida delas.
 
Este ano eu resolvi falar com muitos amigos que estavam no fundo do meu baú. Até porque, eu também tenho teto de vidro. Sofro desta epidemia e sei que ela vai e volta. É como se fosse uma doença crônica, sei lá. Vai e volta.

Facebook então é um show de gente carente. Pessoas que colocam que viajaram para cá e para lá. Ás vezes, a viagem aconteceu em outubro e o ano vira e você ainda está lá vendo as fotos do sujeito. Ou então, ele te atualiza de tudo: indiretas para outro, o que você está fazendo, onde você está, o que está comendo...
Gente, para mim isso me lembra a atitude de uma criança quando recebe um brinquedo novo e quer mostrar para todo mundo que ganhou. O que é isso? Falta de pessoa que dê atenção a ela. (um eufemismo para carência)

Eu gosto muito de ver histórias, raras, de gente quegosta de outra e é correspondido. Amo casamentos. Porque me fazem acreditar que eu posso dormir e acordar pensando que o amor existe. É lindo ver uma declaração pública de amor. Mesmo que seja no casório ou não. É lindo, não acham?
Ainda que só exista Deus, natureza, força maior ou seja lá o que você chama com você são nestas horas em que eu não me sinto só e sim um pouco triste. Triste porque o mundo continua girando do mesmo jeito e as pessoas continuam agindo da mesma forma egoísta e competitiva.

Posso parecer pessimista, mas não sou. Eu acredito que ninguém é bom. Porém todo mundo tem um lado bom dentro de si. E eu oro para que o mundo não se torne um lugar com um bando de pessoas que só sabem olhar para sua solidão e sim que saibam olhar para a solidão de outro. Quem sabe não seja esta uma boa forma de se ajudar e ajudar a alguém? Eu não sei.

E é ao mesmo tempo estranho porque este é um tema tão clichê que as pessoas simplesmente esquecem de dar o que os solitários e carentes mais precisam: atenção.

Este texto foi complicado de escrever que eu eu nem sei se consegui exprimir o que eu acho. Tentei, ao menos.

Até a próxima.






quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Definiçao entre aspas

"Eu sou uma pergunta de certo.
Uma pergunta que não deseja ser respondida.
Que também não se contenta com as respostas
porque acha tudo um tanto quanto relativo.
Meus braços são por demais pequenos para o mundo que eu quero abraçar.
E meu coração é por demais tortuoso para não causar espanto.
Quero tudo!
Agora!"
Clarice Lispector

Sem duvida, a minha citaçao!